Voltar

Nossa Instituição



Campanhas

Campanhas de prevenção realizada pela AFASFA em conjunto com os colaboradores, a fonte dessas informações são do Laboratório ROCHE. Serviço Gratuito do DISQUE AIDS - 0800 61 1997 ou 0800 16 2550 ou visite o site www.aids.gov.br.

O que é Aids?

Aids é a sigla em inglês para Acquired Immuno Deficiency Synddrome, ou SIDA em português, Síndrome da ImunoDeficiência Adquirida. É causada por um vírus conhecido como HIV (Human Imunnodeficiency Vírus, ou Vírus da Imunodeficiência Humana)

O HIV age atacando o sistema imunológico do paciente?

O sistema imunológico é responsável pela defesa do organismo contra doenças, desde as mais simples, como resfriados, até as mais graves, como câncer.

Ao debilitar o sistema imunológico do corpo humano, o HIV “abre as portas” do organismo, tornando-o
especialmente frágil, incapaz de reagir ás infecções.

Quando saudável, o corpo humano se defende com muita eficiência. Utiliza, para isso, células conhecidas como CD4. Essas células reconhecem e combatem vírus, bactérias e fungos, ou seja, microorganismos estranhos.

O grande trunfo do HIV é atacar justamente os guardiões do sistema imunológico, enganando as células CD4.

Utilizando mecanismos químicos, o vírus invade as células, desabilita seus sistemas de defesa e faz com elas comecem a produzir novos vírus; ou seja, utiliza as próprias armas do corpo humano. Está feita a armadilha.

A partir de agora, os novos vírus criados vão infectar novas células CD4, criando um circulo sem fim, em que mais e mais vírus são produzidos, destruindo as defesas do corpo deixando-o vulnerável ás agressões externas

Como se pega AIDS ?

• Compartilhando agulhas ou seringas com alguém infectado.

• Nas relações sexuais (anal, oral ou vaginal) com pessoa infectada pelo vírus HIV, sem uso de camisinha

• Nas transfusões de sangue e derivados, se eles estiverem contaminados.

• Cortando-se ou furando-se com instrumentos não-esterilizados e contaminados com o vírus HIV

Como nao se pega AIDS ?

• Beijo na boca, no rosto, abraço ou aperto de mão.

• Uso de copos, talheres ou pratos de portadores da doença.

• Suor, saliva e lágrimas.

• Uso de sabonetes, lençóis ou toalhas de outras pessoas

. • Uso de banheiros. • Nadar na mesma piscina que pessoas infectadas com o vírus.

• Picada de inseto.

• Sexo com o uso correto de preservativo.

• Uso de agulhas e seringas descartáveis não compartilhadas com outras pessoas.

• Doação de sangue com material descartável.

• Assento de ônibus.

• Pelo ar

Prevenção

Lembre-se: não existe grupo de risco para Aids. O que existe é comportamento de risco.

Seguindo algumas recomendações, você pode reduzir as chances de contaminação. Por incrível que pareça, a Aids pode ser evitada com medidas simples. o Pratique sexo seguro. Use sempre preservativo, também como camisinha. Escolha os feitos de látex, de preferência aqueles que já são lubrificados. Quando utilizada da maneira correta, a camisinha funciona como uma barreira entre o organismo o vírus HIV.

A camisinha deve ser usada corretamente e em todas as relações sexuais. o Alguns estudos mostram que o uso de espermicidas - sempre em conjunto com a camisinha, lembre-se disto pode aumentar a segurança do método preventivo. o Não compartilhe objetos perfuro cortantes.

o Exija que navalhas e alicates de unha, por exemplo, sejam esterilizados. o Exija agulhas e seringas descartáveis. Não compartilhe esses objetos em hipótese alguma. o Mulheres grávidas podem transmitir o HIV para os filhos, seja durante a gestação, no parto ou na amamentação. Nesses casos, é fundamental orientação e acompanhamento médico, pois há formas de reduzir o risco de transmissão para o bebê.

Por isso é tão importante que toda mulher realize o teste anti-HIV durante a gravidez. O diagnóstico precoce é fundamental para prevenir a contaminação da criança.

Como usar a camisinha (preservativo)

Antes de tudo, guarde a camisinha em locais frescos e secos. Evite guardá-la no bolso ou dentro da carteira, pois ela pode rasgar. Abra a embalagem com cuidado. Nunca use os dentes para não correr o risco de furar a camisinha.

Com o pênis ereto, desenrole a camisinha totalmente até a base do pênis antes, aperte a ponta para retirar o ar que resta dentro do preservativo. Dê preferência a camisinhas lubrificadas. Se necessário, use lubrificantes á base de água, vendidos em qualquer drogaria.

Não use vaselina ou lubrificantes á base de óleo. Após a ejaculação, com o pênis ainda ereto, retire a camisinha – feche a abertura com a mão para evitar que o esperma vaze. Dê um nó na camisinha e jogue-a no lixo.

A camisinha é descartável e deve ser usada desde o início de cada relação sexual! Não use o preservativo mais de uma vez. Se reaproveitado, ele não previne contra doenças ou gravidez.

Sintomas

Um dos maiores desafios no combate á epidemia da Aids são os portadores saudáveis. Quando uma pessoa se contamina com o vírus da Aids, nem sempre ela desenvolve sintomas.

Muitas vezes o vírus fica silencioso no organismo por muitos anos. Mas ele está lá e pode ser transmitido as outras pessoas. Por isso, dizemos que “quem vê cara não vê Aids” e que os cuidados com prevenção são muito importantes.

Muitas pessoas não sentem nada quando se contaminam (chamamos de fase “aguda” o período logo depois que a pessoa se infecta). Algumas pessoas podem apresentar sintomas, semelhante a uma “gripe forte” como febre, cansaço, dores de cabeça, manchas no corpo, dores nas articulações, enjôos, dores musculares, diarréia e fraqueza.

Esses sintomas duram aproximadamente 02 semanas e desaparecem. Tantos as pessoas que apresentam os sintomas iniciais quanto àquelas que não sentiram nada, entram em uma segunda fase, que pode durar alguns meses a muitos anos, em que o vírus “mora” dentro do corpo, mas não provoca doença. Nesta fase as pessoas não possuem sintomas e não se sente doente, mas transmitem o vírus para outros.

Chamamos esta pessoa de portador assintomático do HIV. Dizemos que este é um desafio no combate á epidemia porque, como estas pessoas estão se sentindo bem, elas não realizam exames e não sabem que são portadoras. Por isso não praticam sexo seguro. Além disso, acreditam que pessoas com aparência saudável não esteja contaminada e também não praticam sexo seguro.

E o vírus vai sendo transmitido. Nesta fase mais avançada da doença, o vírus começa a “ganhar as batalhas” contra as defesas do organismo, e a pessoa começa a ficar doente e desenvolver os sintomas.

Alguns destes sintomas são: perda de peso sem causa aparente; diarréia e/ou febre por mais de um mês sem causa definida; candidíase de repetição (sapinho) na boca ou na vagina, pneumonias ou sinusites de repetição ou herpes de zooster (cobreiro).

Na fase em que a defesa está muito baixa , aparecem as doenças oportunistas (doenças provocadas por micróbios que só se manifestam quando a defesa do nosso corpo é “fraca”) como: criptococose, histoplasmose, criptosporidiose ou isosporidiose, doença causada por citomegalovírus, sapinho no esôfago, traquéia, brônquios ou pulmões, infecção grave pelo vírus herpes simples; pneumocistose, tuberculose disseminada ou fora do pulmão e muitas outras. Caso você apresente algum desses sintomas, não significa que você tenha a doença.

Outras doenças também podem levar a esses sintomas. Apenas uma consulta médica e o teste anti-HIV podem fazer o diagnóstico.

Mesmo que você não apresente nenhum sintoma, mas tenha tido um comportamento de risco, como uso de drogas injetáveis ou relação sexual sem o uso de camisinha, você também deve procurar um serviço de saúde e realizar o teste anti-HIV.

Preconceito

Desde que foi descoberta, a Aids vem cercada de preconceitos. Essa discriminação atrapalha, inclusive, o próprio combate à doença, fazendo com que o paciente tenha medo de procurar tratamento e ajuda profissional.

Esse preconceito é causado, principalmente, por mitos e medos gerados pela falta de conhecimento. A Aids não é transmitida por beijos, abraços, toques, usando os mesmos talheres, o mesmo banheiro, por tosse ou espirro, em piscinas ou praias.

O primeiro remédio que o paciente com Aids necessita é apoio, carinho e atenção. Isso ajudará a melhorar seu estado físico, emocional, dando forças para que ele continue a enfrentar a doença e encarar a vida com alegria.

O abraço afetuoso é um dos melhores remédios. Desde 1987, é comemorado, no dia 1º de dezembro, o Dia Mundial de Luta Contra a Aids. A data serve para reforçar solidariedade, compaixão, carinho, amor e compreensão com as pessoas infectadas pelo HIV.

O símbolo que representa a campanha é o laço vermelho. O laço vermelho é um símbolo de solidariedade e de comprometimento na luta contra esta doença. Simbolicamente, laço é união, e vermelho, sangue e paixão.

Para melhor adesão ao tratamento dicas

Antes de tudo, é importante que o paciente aceite o tratamento e estabeleça uma relação de confiança com o profissional de saúde que o atende. Isso o ajudará a conviver melhor com o HIV e seu tratamento.

Abaixo, algumas dicas para uma melhor adesão. o Aceite o tratamento, crie uma relação de confiança com o profissional de saúde que o atende. Isso tudo o ajudará a conviver melhor com o HIV. o Tome os medicamentos na quantidade indicada, nos horários e da forma certa. Não interrompa o tratamento. o Siga à risca a prescrição médica em relação à alimentação. o Defina quais os melhores horários a adotar, considerando sua rotina diária.

Utilize aparelhos com alarmes, como bips, celulares, relógios de pulso ou computadores, para não esquecer a hora da medicação. Peça a parentes e colegas que o ajudem a lembrar o horário dos remédios. Separe seus remédios em caixinhas com divisões, por horários prescritos.

Ao viajar, faça uma tabela com os remédios que você deve tomar. Leve também alguns medicamentos de reserva, para evitar imprevistos. Alguns medicamentos precisam ser guardados na geladeira. Esteja atento!

Se você estiver apresentando alguma reação aos medicamentos, converse com seu médico. Ele vai poder lhe explicar se a reação é esperada, como lidar com ela e se há necessidade de troca da medicação. Converse sempre com o médico e/ou profissional de saúde com quem você faz o acompanhamento.

Tire todas as suas dúvidas e exponha suas preocupações. Com certeza, ele poderá ajudar!

Rua pedro Virilo, 1, Jd. Santiago | Indaiatuba/SP
(19) 3875.2690 - (19) 3835.7090 - (19) 9 9850.9012
Creative Commons Jgwebcom